Autoestima  |  Beleza  |  Comportamento  |  Cultura  |  Saúde

O título do post é o nome do primeiro livro que a jornalista Daiana Garbin lançou em Belo Horizonte. Diagnosticada com transtorno alimentar, ela decidiu compartilhar sua história para ajudar outras pessoas que também sofrem do mesmo mal e mostrar como foi sua luta contra a obsessão pela magreza.

Daiana já compartilha suas vivências e aprendizados desde 2016 em seu canal no Youtube Eu Vejo, em que recebe especialistas para discutir temas como padrão irreal de beleza, a autoaceitação e os transtornos alimentares e também em sua conta do instagram @garbindaiana onde relata e compartilha idéias e conselhos para todos que desejam ficar em paz com seus corpos e mudar sua relação com a comida.

“Por mais de 20 anos, vivi uma guerra interna. Odiava minhas curvas, meu quadril largo, minha estrutura grande. A hora das refeições era uma tortura: eu queria devorar tudo o que estava na mesa, inclusive o que havia no prato dos outros; por outro lado, não queria comer para não engordar. A comida acabou se tornando minha maior paixão e minha pior inimiga. Se eu comia, me sentia um fracasso. Se não comia, a vontade aumentava ainda mais. Não havia meio-termo, ou eu comia incontrolavelmente ou passava dias a base de maçã e água.” (Trecho do livro)

O prefácio do livro é escrito pelo seu marido, o também jornalista e apresentador do The Voice Brasil Tiago Leifert.

“A insatisfação com o corpo é muito comum. E, especialmente no caso das mulheres, é incentivada pelo mercado, pela mídia e até pelas próprias mulheres. Daiana resolveu falar sobre isso. E aí você pensa: Uau, que legal, ela está curada e vai me ensinar a me curar! Não. Ela vai oferecer algo muito melhor: a verdade.” – do prefácio de Tiago Leifert

O livro traz ainda explicações médicas sobre os transtornos alimentares citados na última versão do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), além de entrevistas com psicólogos, psiquiatras e nutricionistas, que respondem a diversas questões sobre as chamadas “doenças da beleza”.

” Vou mostrar como estamos adoecendo em busca de um corpo impossível para a maioria das mulheres e tudo o que fiz para aprender a aceitar a imagem corporal que eu enxergo no espelho, para desenvolver meu amor-próprio, autoconfiança, para ter paz na alimentação, sem culpa, sem sofrimento, sem excessos e sem restrições, e para, sobretudo, me aceitar como eu sou, com todos os meus defeitos e qualidades. Descobri que é possível, sim, ser feliz exatamente como se é. Não vou dizer que é fácil, não vou prometer nada. Não existe receita nem fórmula mágica. É um caminho difícil, mas que vale a pena ser trilhado”, revela.

cov

 

Sobre a autora: 

Daiana Garbin é jornalista formada pela universidade de Caxias do Sul. Começou a carreira como locutora de rádio aos 18 anos. Aos 24 anos, iniciou a carreira em televisão, foi repórter, editora, produtora e apresentadora. Durante 8 anos trabalhou na Rede Globo, em São Paulo. Em abril de 2016, pediu demissão para criar o Eu Vejo, um canal no Youtube em que discute as questões relacionadas ao corpo, autoimagem, saúde e alimentação.